sexta-feira, 4 de abril de 2014

Quem será o grande vencedor do CPA 2014?

Estão abertas as inscrições para a 7ª Edição do Concurso Paranaense de Aquapaisagismo, realizado pelo grupo Aqualon, de Londrina - PR, sob a batuta do mestre Rony Suzuki.

Conheceremos o grande campeão no evento que será realizado em Londrina - PR.

Para aquecer um pouco e deixar todos um pouco mais ansiosos, que tal relembrar os campeões das edições passadas? Vamos lá.

2008 - Américo Guazzelli - Londrina

2009 - Luidi Doim - Ponta Grossa

2010 - Carlos Eduardo Gil - Assaí

2011 - Adriano Montoro Nicácio - Londrina

 2012 - Gary Chagas - Ponta Grossa

                                         2013 - Julcemir João Ferreira - Ponta Grossa


E em 2014??? Quem será o grande campeão?? Façam suas apostas!


Obs: Imagens retiradas da revista oficial do evento.

CPA 2014 - Inscrições abertas



Estão abertas as inscrições para o CPA 2014. É uma excelente oportunidade para os aquapaisagistas paranaenses mostrarem seus aquários e submetê-los a um juri de peso.

Participem, paranaenses.

O resultado é divulgado no encontro aqualon, que acontece em Londrina, no mês de julho. Quando tivermos maiores detalhes do encontro eu atualizo o post.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Novo desafio - Aquário de 1 metro.

Fala pessoal...

Sempre gostei de aquários pequenos, até no máximo 60 cm de comprimento. Em decorrência disto, basicamente me limito às categorias nano dos concursos de aquapaisagismo.

Mas dessa vez resolvi encarar o desafio de montar um aquário maior... acho que bastante influenciado pelos Juízes do CPA (André Longarço, Luca Galarraga, Reinaldo Iherara e Erivaldo Casado), que sempre falam que nós, paranaenses, deveríamos investir em aquários maiores.

Diante disto, aí está o novo projeto, vamos ver no que dá:

Medidas: 100x40x40 cm
Filtragem: Eheim 2215 (filtragem biológica) + Ista Max Care (só com filtragem mecânica e química)
Iluminação: lâmpadas T5
Substrato: Amazônia, Mbreda
Co2: pressurizado Ista, com difusor in line.



Bora lá!! VAI GMA!

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Wave

Postando hoje o meu aquário que chamei de Wave, porque a poda me lembrou ondas. 
Esse aquário foi um bocado complicado, pois quando estava perto do auge, tivemos uma onde de calor muito forte em Maringá e perdi muitas das plantas. Mesmo com ventilação na água, a temperatura dela ficava em 30º c. Tive que replantar quase todas as plantas de caule, o que me atrasou muito. 

Preciso deixar registrado o meu especial agradecimento ao Américo Guazzelli pelo empréstimo do hardscape e pela paciência em tê-lo de volta rsrsrsr.

SETUP:

Tamanho do aquário: 50c X 40l X 28a
Substrato: Mbreda Amazônia
Filtragem: 2x Ista Max Care – Mini Canister 360 l/h
Iluminação: 2 x 24 watts 10.000k e 1 x 36 watts dymax
Sistema de CO2: Pressurizado Ista
Flora: Hemianthus Callitrichoides “cuba”, Eleocharis sp. Japan, Marsilea Hirsuta, Hemianthus Micranthemoides, Helanthium tenellum, Rotala Indica, Rotala sp. Green, Rotala sp. Francisco, Taxiphyllum sp. Spiky moss, Vesicularia ferriei “Weeping Moss”.
Fauna: Hypressobrycon herbertaxelrodi e Otocinclus Affinis
Fertilização: Linha Flourish, da Seachem.


Fotos extras:

Esquema de plantio
Esta foto foi tirada quando o calor
 destruiu boa parte das plantas

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Substratos que usei 2 - Húmus.

Húmus de minhoca


Apresentação: O húmus de minhoca foi, por muito tempo, o substrato mais utilizado por aquaristas de aquários plantados. Com o surgimento dos substratos industrializados, perdeu espaço. Se apresenta como um pó marrom bem escuro, e em sua forma bruta (como comprada em mercado) possui muitas  impurezas, como pequenos pedaços de troncos e folhas no meio, e em alguns casos é possível encontrar minhocas mortas.

Observações: Para o uso em aquário plantado, é necessária a realização de um tratamento, que vai desde a lavagem, cozimento ou assadura em forno, com o objetivo de eliminar o excesso de material orgânico.

Sugestão de tratamento você encontra no fórum Nature Aqua:

Prós: Preço. É um substrato muito barato, pois mesmo quando associado à laterita, o custo é muito pequeno. É, inegavelmente, um substrato bastante poderoso no que se refere a nutrientes. Dificilmente requer complementação, seja por pastilhas, seja por fertilização líquida. Por ser rico em nutrientes, depois de adaptadas as plantas apresentam crescimento vigoroso.

Depois de estabilizado o aquário (e isso leva um bom tempo), o húmus supre bem as necessidades das plantas.

Contras: Precisa de uma camada isolante generosa (recomendo no mínimo 5 cm), pois por se tratar de um substrato muito rico em nutrientes, a coluna d’água está sempre repleta de nutrientes, e caso não esteja bem isolado, o substrato pode acabar vazando para a coluna d’água em uma mexida de hardscape ou remoção de plantas, e certamente gerará uma crise de algas muito difícil de conter.

Como possui muita matéria orgânica (mesmo depois de tratado), é um substrato que leva muito mais tempo do que os concorrentes para estabilizar biologicamente. Se não for tratado corretamente, pode gerar bolhas de gás fétidos oriundo da decomposição da matéria orgânica que contém nele, e além de ter um cheiro ruim, essas bolhas sobem e levam consigo boa quantidade de substrato, causando transtornos com algas.

A minha experiência com esse substrato foi bastante frustrante no que se refere às algas. Tive uma infinidade de algas, tendo que realizar TPAs constantes e qualquer descuido tinha problemas boom de algas.

Quantidades: Em regra se utiliza uma camada de 1 a 2 cm.
Durabilidade: É o substrato com maior duração, havendo relatos de aquários montados a mais de 5 anos.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Substratos que usei 1 - Amazônia, MBreda

Olá amigos. Hoje eu começo uma série de 4 posts sobre os substratos férteis que eu já usei. A cada post vou falar um pouquinho das minhas impressões sobre cada um deles. Os substratos são: Amazônia, da MBreda; Natural Soil, da Aquamazon; ADA Substrate System e Húmus de Minhoca.

Não tenho nenhum interesse em realizar comparativos entre os 4 tipos, mas apenas mostrar as MINHAS impressões e experiências com cada um deles.

Vou começar pelo Amazônia, da MBreda, pois é o substrato que eu mais usei até hoje (e ainda uso), Vamos lá.


AMAZÔNIA, da MBreda Aquapaisagismo.




APRESENTAÇÃO: O substrato Amazônia, da Mbreda, apresenta duas versões. A normal e a extra fina. A versão normal apresenta um granulado de cor marrom escuro, com aproximadamente 3mm. O extra fino também é marrom escuro, mas o granulado apresenta aproximadamente 1 mm. O extra fino parece uma areia.

OBSERVAÇÕES: O extra fino é muito melhor para o plantio de carpetes como Hemianthus Callitrichoides “cuba”, Glossostigma elatinoides ou Callitriche SP., por exemplo, pois como tem um formato parecido com areia, ele segura melhor as plantas.

Quando vou montar o aquário com o Amazônia, eu costumo usar o normal em toda a extensão do aquário, mas na parte da frente eu utilizo o extra fino, para facilitar o plantio do carpete.

PRÓS: Acho que a principal vantagem desse substrato é a possibilidade de ficar em contato direto com a coluna d’água, não necessitando do uso de nenhum tipo de camada inerte.

Uma coisa que notei é que pelo fato de não necessitar de uma camada inerte, a adaptação e enraizamento da plantas é muito rápido. Creio eu que pelo fato de a planta já ficar em contato direto com o substrato fértil, facilita a absorção dos nutrientes pelas raízes e a planta cresce muito mais rápido.

Como a liberação dos nutrientes é feita de maneira mais lenta pelo substrato, eu não senti a necessidade de realizar as famosas TPAs diárias (ou dia sim, dia não) que muitos falam ser necessárias nos primeiros dias de montagem. Eu sempre monto o aquário e faço as TPAs semanais normalmente.

Com relação à algas, não notei nada diferente do normal. Aquários sem algas não existem, principalmente no começo das montagens. Em quase todo começo de montagem tenho as algas normais de período de ciclagem (filamentosas e marrons), mas nunca tive um surto incontrolável. Então, com relação à algas, na minha visão nada de anormal.

CONTRAS: Acho que como quase tudo que se refere a aquarismo no Brasil, o maior contra é o preço. Infelizmente não é um substrato muito barato, mas penso que no Brasil, fazer algo de qualidade e barato é realmente difícil. 

QUANTIDADE: Para um aquário 60x30x30, de acordo com o site da MBreda, serão necessários aproximadamente 3 kg para uma camada fértil, ou aproximadamente 8 kg para o uso só do Amazônia.

DURABILIDADE: Média de 2 anos.

Informações técnicas, valores, e outras dúvidas podem ser sanadas pelo site www.mbreda.com.br

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Meu aquário do CPA 2013.

Olá amigos... mais uma vez, logo após o resultado do CPA eu venho publicar as fotos do meu aquário. Dessa vez, com um detalhe especial, minha montagem conseguiu a 5ª colocação no concurso, o que é um grande feito para a cidade de Maringá, que pela primeira vez esteve entre os 10 melhores trabalhos do Estado.

Mas vamos lá... ao aquário.


DADOS DA MONTAGEM:

Nome do Layout: Moonlight.
Data da montagem: 18 de novembro de 2012
Finalização: 18 de maio de 2013
Medidas: 60x35x35 - 73,5 Litros
Substrato: ADA Substrate System
Co2: Pressurizado, kit ista, 2 bps.
Iluminação: 4 x t5 24 watts - 9 horas por dia.
Hardscape: Ost Rocks
Fertilização: Linha completa da Aquavitro Plant, da Seachem.
Filtragem: Eheim Classic 250 - 2213
Fauna: Hyphessobrycon amandae, Otocinclus affinis e Caridina Cf. Cantonensis.
Flora: Rotala Nanjenshan, Rotala sp. Green, Rotala Indica, Hemianthus Callitrichoides “cuba”, Hemianthus Micranthemoides, Staurogyne sp., Eleocharis sp. Japan, Fissidens Fontanus, Riccia Fluitans, Taxyphillum sp. “Spiky Moss”,  Taxyphillum sp. “Flame Moss”, Elatine Triandra e Echinodorus Tenellus “blood”

Agora a foto do tradicional antes/depois, que ressalta bem a maior crítica que recebi na montagem: esconder excessivamente o hardscape.


E por fim, o motivo de muita felicidade... o troféu do CPA 2013:


Agradeço a todos que colaboraram de alguma forma com essa conquista. Valeu mesmo, pessoal.